1

eu me iludo sempre
sim, eu mesmo me iludo
vedo a boca do meu ser
mudo

eu não sei exatamente o que
minha não-razão fica a procura
só a eternidade é minha solução
cura

é que dentro de mim
lateja violentamente
a vontade de ser teu
totalmente

2

o coração dividido
bi-partido
dicotomizado
esperando que eu decida
escolher pela vida
que é estar ao seu lado

o coração pobre-coitado
vai sendo enganado
pulsando forçosamente
pelos meus desejos
que lhe são contrário

pois longe de ti
vou andando desorientado
sabendo que só tenho uma saída
que é andar ao seu lado


3

estou na eterna caminhada
de volta, retorno
e por esses caminhos escuros
isso me serve de consolo

até que um dia
Sua luz brilhe, salvação
e encham meus olhos
reestabelecendo minha visão

pois perdido e cego
ando em mim mesmo, calado
pois mesmo que eu não esteja
você está do meu lado


4

ando voltando
por todos esses caminhos novos
ando nessa estrada
que as vezes me parece errada
pois a maioria caminha em outra direção
e eu aqui, contramão

mas sei no mais profundo do meu ser
embora me fuja as vezes a convicção
que algo estranho me guia
sua mão

para que ao terminar o caminho
encontre o fim desejado
e me surpreenda, com a imagem
de quem sempre esteve do meu lado


One Comment

§Anjo§ disse...

Oi Jônatas! Saudades!
Linda declaração de amor! Belíssimo poema!
Fiquei doente, mal mesmo! Mas cá estou... Cheia de saudades!
Muitos beijinhos, abraços
Bye bye
Anita do diarios-do-anjo.blogspot.com