quero tudo que é pesado
tudo que é sujo e putrefato
toda a escória
todo o horror da história
todas as mortes desnecessárias
todo ser vacilante
todo perdido e errante
todo vexame sem causa
todas as causas inúteis

quero as almas penadas
os lugares mal-assombrados
os pántanos
os brejos
os lugarejos
o escuro das cavernas
os desejos não realizados
as multidões
os esgotos
os poços sem água

Quero a sede
a fome
as angústias
o pânico

quero discórdia
facção
quero desconcertos
desacertos
decepção

quero o frio
o desgosto
o desassossego
as fobias
o medo

quero a fornalha
a espada
a adága
a navalha

quero o sorriso desconcertante
quero-o mais que as lágrimas
quero sentir gastura
de todo som irritante

quero pesadelos
e te-los bem acordado
quero toda dor
e des-zelo
ciúmes
maltratos

quero o vácuo
o vazio
as profundezas dos mares
as margens assoriada dos rios


nenhuma subserviência
maldade
quero inexistência


One Comment

☆Anjo☆ disse...

Oi Jônatas! Adorei suas repostas no Top 10!
De todos os poemas seus que já li, esse é o mais sensacional de todos, arrasou! Profundo, sincero, dramático!!!! Parabéns... E vc dizendo que suas rimas não são boas, lembra?
Maravilhoso...
Uma ótima noite de sábado! Beijinhos
bye bye